A rede e o tesouro: o enigma propiciatório para o caminho

[Leitura] Ex 40, 16-21. 34-38; Mt 13, 47-53

[Meditação] Na 1ª Semana dos Exercícios Espirituais, Sto Inácio de Loiola propõe-nos, para um apropriado discernimento dos espíritos, o discernimento entre virtude e pecado; e na 2ª Semana o discerniento entre o bem real e o bem aparente. Este segundo tipo de discernimento é mais difícil que o primeiro, mas não é menos importante que o primeiro para ajudar num mais maduro crescimento vocacional.

Por isso, vislumbrando o tesouro como símbolo do primeiro tipo de discernimento (entre virtude e pecado) e a rede como símbolo do segundo tipo de discernimento (entre bem real e bem aparente), vejo no Evangelho de hoje a sugestão de que o tesouro se refere a uma conversão moral ou ética, que implica discernir entre o bem e o mal segundo critérios antigos e atuais; enquanto que o trabalho de puxar a rede implica a ação humana, orientada pelos Anjos, de separar a verdade da mentira, entre o ser e o aparecer, para um caminho cuja transparência coincide com a realidade do Reino de Deus.

Para a superação deste enigma pessoal, são propiciatórios quer o Sacramento da Reconciliação, quer a Direção Espiritual, esta para o trabalho da rede e aquele diante do Tesouro que é a abundante misericórdia de Deus.

[Oração] Sal 83 (84)

[ContemplAção] www.twitter.com/padretojo