Publicado em Formação Sacerdotal, Integração Psico-Espiritual, Lectio Humana-Divina

Serve o verdadeiro Rei quem, no hoje, se veste de templo e se alimenta do altar

[Leitura] 2 Cr 24, 17-25; Mt 6, 24-34

[Meditação] Por vezes, acontece assim com a vocação cristã: nasce numa família que a procura promover e proteger; desenvolve-se nos primeiros contactos com a comunidade através da iniciação cristã e da escola; e, na melhor das hipóteses, ganha vigor com o Crisma que impele a uma resposta madura a uma vocação específica. Nesta aventura, para além do protagonismo central do Espírito Santo e do próprio sujeito, concorrem diversas mediações que, como acontece na saga do Livro dos Reis, estão ao serviço da pessoa, protegendo-a no templo daqueles que o querem destruir para reinar. E no final, como desgraçadamente aconteceu com Joás, pode acontecer que a pessoa, assim promovida e protegida, se inscreva no grupo daqueles que destroem o templo que forma e que envia. De facto, ele não foi grato aos que promoveram a sua história, eliminando o profeta Zacarias.

Na sua escola de discípulos, Jesus advertiu que não deve haver a preocupação com o que vestir e com o que comer, e que é inútil inquietarmo-nos com o dia de amanhã, a cada dia o seu cuidado. De facto, inspira-se n’Ele quem afirma, hoje, que viver demasiadamente no passado dá em depressão e viver constantemente a pensar no futuro provoca a neurose. Quem tem a mania de querer “ter o rei na barriga” é capaz de estar à beira de um desses precipícios, precisamente porque se “veste” mal e se “alimenta” mal. Porventura porque visita muitas montras e petisca em muitas mesas que lhe dão confusão quanto.ao verdadeiro sentido da vida. Não se pode servir a dois senhores…

É preciso redesenhar a pastoral do acolhimento, da evangelização e da vocação, centrando-as não no restauro de templos do passado, nem no aprovisionamento dos recursos para a sobrevivência no futuro, mas, com certeza evangélica, na resposta aos desafios do presente, em que Deus providencialmente coloca cada ser humano como Seu mediador de graça amorosa.

[Oração] Sal 88 (89)

[ContemplAção] Em: twitter.com/padretojo

Autor:

Padre da Diocese de Viseu