A trágica presença do mal atestará sempre a benéfica imunidade do bem

[Leitura] Mt 13, 24-43

A liturgia deste XVI domingo do tempo comum vem-nos provar que o tempo que vivemos ainda não é o do juízo, mas da misericórdia. Ou seja: enquanto houver “tempo” haverá, da parte de Deus, a misericórdia. Porque será que o ser humano também não aprende a esperar a partir dessa atitude?

Há grandes artistas de palco nos grandes concertos que, para chegarem calmos no momento de começar a atuar, caminham para ele contando até 50, distraindo a atenção daquilo que lhes traz ansiedade que os perturba de ser bons artistas. Porque não contamos nós até 1000, na circunstância de caminharmos ao lado dos outros, distraindo as nossas mentes daquilo que nos leva a julgar de forma repentina? Assim, teremos oportunidade de ser mais humanos, considerando a complexidade de cada vida e procurando a dar valor ao que em cada pessoa é bom, para além de todos os defeitos que atrapalham as relações.

Jesus não nasceu neste mundo num trono de glória (onde agora está como Ressuscitado), mas por detrás do “pano” da existência terrena, dando-Se a conhecer aos mais frágeis como a face da misericórdia de Deus (com o título de “filho do homem) e contrapôs-Se diante de todos os que O quiseram acolher como “messias político”.

Com a sua vida terrana, Jesus indicou-nos o caminho e parece haver só uma maneira: amar e cuidar, tentar não acrescentar mais mal ao mal, mais violência à violência, mais doença à doença… mas quanto ao mal que já existe: ter paciência, no cumprimento do Evangelho e das normas de sanidade (física e mental). Celebrar juntos os sucessos quanto às curas que nos deixam ainda estar aqui por mais alguns tempos. E ser pacientes e misericordiosos. A paciência tudo alcança − é o que sabiamente diz o povo simples. E neste dito está resumida esta página do Evangelho.

A trágica presença do mal atestará sempre a benéfica imunidade do bem. Mesmo que, com critérios meramente humanos, quiséssemos erradicar todo o mal para nos “gloriarmos” do bem nesta terra, iríamos confrontar-nos sempre com o mal que no meio dele existe para o provar. Até pisarmos a outra “margem”… fora do tempo e do espaço. Podemos ver nesta parábola uma espécie de antídoto espiritual para todas as nossas dificuldades de vida e fé. Consta que, muito embora a origem do mal e do bem são diferentes, à nascença são muito parecidas, mas têm um resultado marcadamente diferente. Como dizia São Filipe de Néry: o homem, sozinho, não consegue fazer o mal… pensando que a origem do mal mais perigoso na vida de cada ser humano tem outra origem mais ampla. Assim, também não o conseguirá superar sozinho, mas coma ajuda e atenção dos outros.

%d bloggers like this: