Os “escapulários” e a subida do “monte” que é Cristo

[Leitura] Mt 11, 28-30

O Carmelo (ou Carmo) que os eremitas escolheram ao longo da história na Palestina para dedicar a vida à contemplação do mistério de Deus, sob a proteção de Nossa Senhora, é símbolo do “monte” que é Jesus Cristo. De facto, foi em lugares ermos que Jesus proferiu a sua mensagem mais importante, culminada com a doação da sua própria vida na Cruz. No séc. XII, alguns eremitas fundaram a ordem dos Carmelitas, entre os quais esteve São Simão Stock, como responsável geral. Ele recebeu das mãos de Maria o escapulário com a promessa de salvação a quem morresse vestido do mesmo.

Já sabemos que, para sermos salvos, não basta “vestir” símbolos do sagrado, mas, estar revestidos de Cristo através da prática das boas obras que nos são inspiradas pela Sua Palavra. O tecido que nos “veste” de salvação é feito daquele novelo de gestos que concretizam o Evangelho!

Gostaria de sugerir que o “escapulário”, para além de ser um distintivo pendente do pescoço sobre o peito e as costas, próprio de certas confrarias, fosse, de forma alargada, metáfora daqueles pequenos sinais que trazemos aos ombros do nosso dia-a-dia: o terço, as pulseiras identificativas de grupos e atividades cristãos e, até, os lenyards com o cartão de identificação dos acolhedores às portas das igrejas em tempo de pandemia. E porque não aqueles jaculatórias como a que digo desde pequenino: “Oh Virgem Santíssima não permitais que eu vive, nem morra em pecado mortal; em pecado mortal não hei de morrer, que a Virgem Maria me há de valer”.

Mais do que um “peso” de pertença a um grupo ou à repetição de certos ritos, o escapulário simboliza-me o abraço de Deus que cinge os nossos membros superiores, atraindo-nos para uma dinâmica de amor eterno.

%d bloggers like this: