O assoberbamento de qualidades pessoais face à insignificância dos defeitos dos outros

[Leitura] Mt 7, 1-5; 2 Reis 17, 5-8. 13-15a.18

[Meditação] Hoje, o Médico Jesus acolhe-nos numa consulta de oftalmologia, para nos ajudar a colocar no olhar uma graduação de “lente” muito importante: a que nos permite não projetarmos sobre os outros os defeitos pessoais, correndo o risco de assoberbarmos as qualidades pessoais, por vezes insignificantes, diante da real insignificância dos defeitos dos outros, que, para esconder os próprios, tendemos a aumentar nos outros.

No dicionário, “argueiro” é um cisco ou corpúsculo que se pode introduzir nos olhos, enquanto que “trave” é uma peça de madeira comprida. A metáfora fala por si e não precisa de explicação. O que é necessário é, diariamente, fazer o que está ao nosso alcance: um corajoso exame de consciência pessoal, que nos permita tender a ser mais condescendentes com os outros a partir de uma séria exigência pessoal. Sempre sabendo que Deus é paciente com todos!

Assim, também as instituições (sejam elas quais forem – sociais ou eclesiais) deixarão de funcionar menos como plataformas de que as pessoas se servem para expandir as referidas projeções pessoais, passando a funcionar melhor como ambientes de serviço para o bom desenvolvimento de todos. Afinal, do que se trata é da salvação da humanidade! Talvez esta consulta oftalmológica nos ajude reler a proposta do  Papa Francisco para “uma renovação eclesial inadiável” , onde não se perca tanto tempo com o pensamento à volta de teorias inúteis (que só servem a autoreferencialidade) e se passe a uma refletida mudança de estratégias (em favor de uma sadia alteridade):

Sonho com uma opção missionária capaz de transformar tudo, para que os costumes, os estilos, os horários, a linguagem e toda a estrutura eclesial se tornem um canal proporcionado mais à evangelização do mundo actual que à auto-preservação. A reforma das estruturas, que a conversão pastoral exige, só se pode entender neste sentido: fazer com que todas elas se tornem mais missionárias, que a pastoral ordinária em todas as suas instâncias seja mais comunicativa e aberta, que coloque os agentes pastorais em atitude constante de «saída» e, assim, favoreça a resposta positiva de todos aqueles a quem Jesus oferece a sua amizade. Como dizia João Paulo II aos Bispos da Oceânia, «toda a renovação na Igreja há-de ter como alvo a missão, para não cair vítima duma espécie de introversão eclesial».

— PAPA FRANCISCO, A Alegria do Evangelho, n. 27

%d bloggers like this: