Da multiplicação que anestesia o temor ao verdadeiro dom que instaura o amor

[Leitura] Ex 16, 2-4. 12-15; Ef 4, 17. 20-24; Jo 6, 24-35

[Meditação] Temos vindo a constatar através da comunicação social o que se está a passar na Venezuela. É estranha a forma como os acontecimentos são noticiados, como se meramente houvesse lutas políticas entre poderes alternativos, em vez da cada vez mais nítida existência de uma ditadura que se quer impôr pelo ciclo vicioso do medo e das concessões que vão anestesiando o mesmo, no controle da resolução injusta da pobreza.

Jesus caminhou sobre o mar das inconsistências humanas para nos levar da mera saciação do temor ao acolhimento do verdadeiro amor, através de uma mais justa distribuição dos bens naturais, mas tendo como base axiológica (ética) a proclamação de dons sobrenaturais.

Os povos em vias de desenvolvimento (chamam-se hoje assim, para não os desclassificarmos com o chavão “sub-desenvolvimento”) não são mais desenvolvidos porque causa daquele ciclo vicioso: se este tem garantias de ser mantido, para o povo (parece que) está tudo bem, em vez de mudar da obediência a um político que faz de deus para a adoração de um Deus que tudo faz para que o curso da história humana seja feliz.

Por vezes, também é assim com os habitantes dos países ditos “desenvolvidos”: estando de estômago cheio e de saúde controlada, parece-lhes estar tudo bem, quando, na verdade, nem sempre parece darem conta da vida divina que subjaz no fundo de tudo o que nos acotnece de bem; e dos males que têm a sua raiz nalguma acédia humana.

Quer no caminho das comunidades cristãs, quer no desenvolvimento humano com o qual se promove a resposta pessoal ao chamamento de Deus, convém verificarmos com que conjunto de neurónios estamos a pensar: se com um cérebro em vias de ser inteligente na resposta ao dom da fé ou se com um estômago sempre a pedir a saciação de bens perecíveis.

[Oração] Sal 77 (78)

[ContemplAção] http://www.twitter.com/padretojo

%d blogueiros gostam disto: