As necessidades básicas dos outros não incomodam os que servem o Senhor

[Leitura] Mal 3, 13-20a; Lc 11, 5-13

[Meditação] Deus nunca se cansa, porque o amor não descansa. O ser humano é que se cansa de contemplar o amor na sua dupla face de receber e partilhar, esquecendo-se da gratidão que gera a comunhão. O Papa Francisco já nos lembrou que Deus nunca se cansa de perdoar, nós é que nos esquecemos de Lhe pedir perdão. No entanto, a história de Deus com a humanidade não é só uma história de pecado humano; é uma história de fidelidade divina ao projeto da Criação. Aquém do pecado há toda uma precedência do amor paciente de Deus sobre o qual se constrói toda a história da humanidade e de cada homem e mulher em particular, em todas as condições mais básicas foram previstas por Ele para que o se humano possam viver.

A experiência de cada ser humano é marcada por diversos tipos de necessidade dentro das dimensões física, psíquica e de realização ou busca de sentido da vida. Estas, apesar de estarem no ADN da criação do ser humano, reclamam, no plano da redenção, uma fraternidade universal. A partir desta relação, não basta perguntar se o ser humano se portou ou não bem; é necessário perguntar, na sua situação, se tem o básico que precisa para empreender o caminho que o constrói de encontro à imagem do Criador.

Aqueles que temem o Senhor não fecham as portas da caridade, sabendo que esta ressoa com o alarme da insistência de quem precisa da satisfação de necessidades básicas como as que estão na pirâmide acima. À luz da Palavra, afirmamos convictamente que, no topo, está o Espírito Santo, o Amor de Deus, o bem ainda mais básico que todos os bens, sem o qual se experimenta a mais dramática das pobrezas. A maldade está em não reconhecermos estas necessidades mais básicas como património de toda a humanidade. A bondade está na imitação da forma de Deus Pai nos amar.

[Oração] Sal 1, 1-2. 3. 4 e 6

[ContemplAção] Em: twitter.com/padretojo