A inteligência aproxima-nos do Reino, a caridade faz-nos habitar nele

[Leitura] Deut 6, 2-6; Hebr 7, 23-28; Mc 12, 28b-34

[Meditação] Conta-se numa história que

Um dia, num convento, o jardineiro aproximou-se de um frade seu amigo e disse-lhe:
– Gostava que fosses contemplar a beleza da minha horta e do meu jardim.
O frade, que pouco saía do convento, respondeu:
– Com todo o gosto, irei ver o que tens para me mostrar. O frade acompanhou o jardineiro. Este foi-lhe mostrando todos os canteiros, dizendo:
– Olhe para as minhas flores, como são lindas!
Mais adiante dizia:
– Repare nos morangos que plantei, como estão bonitos. E todas estas árvores cheias de frutos que são uma delícia! Mais adiante dizia:
– Olha como estão viçosas estas alfaces.
O frade ia observando em silêncio. A um certo momento respondeu:
– Sim, mas não te esqueças de que tudo isto é um dom do Criador!
Sem nada dizer, o jardineiro levou o frade a um canto do jardim deixado sem cultivar e disse:
-Repara no que acontece quando se deixa que seja o Criador a cultivar sozinho!
O frade regressou ao convento a pensar que, de facto, tudo é 100% de homem e 100% de Deus.

Moral da história:

  • O mundo foi entregue por Deus ao homem apra que faça dele um jardim. Cada homem assume a sua responsabilidade.
  • O mesmo se diga em relação ao mandamento do amor: que vale ficar fechados no “convento” a viver um culto muito bonito se depois descuidarmos dos irmãos?
  • O culto perfeito que agrada a Deus é pôr em prática a justiça em favor do próximo.
  • A integridade intelectual aproxima-nos do Reino; porém, estar dentro dele implica praticar a caridade.
  • Daí o amor a Deus e ao próximo ser um só mandamento, com duas atitudes inseparáveis.
  • Não nos podemos esquecer, também, de cuidarmos do “jardim” do nosso próprio coração, porque, na verdade, ninguém pode partilhar os frutos que não tem.
  • Deus já nos amou a todos primeiro, semeando a sua Palavra no mundo.
  • Na prática (não tão simples de observar), o Novo Testamento sugere o seguinte ciclo: amando-se no deixar-se amar por Deus e amando-O nos outros.

[Oração] Sal 17 (18)

[ContemplAção] Em: twitter.com/padretojo

%d bloggers like this: