Publicado em Lectio Humana-Divina

Do diálogo entre a paz e a alegria resulta a reconciliação

[Leitura] Act 2, 1-11; 1 Cor 12, 3b-7. 12-13; Jo 20, 19-23

[Meditação] Do Evangelho deste dia solene de Pentecostes tiro a seguinte conclusão: o diálogo entre a paz de Jesus e a alegria dos discípulos verte o Espírito de reconciliação. Na cena evangélica vemos Jesus cumprimentar os discípulos com a sua dádiva de paz. A esta, eles reagem com a alegria. Esta é uma predisposição que garante a Jesus a missão do perdão, para a qual é insubstituível o sopro do Seu Espírito Santo.

Entre nós, há um costume antigo de beijar a mão e soprar esse beijo para uma pessoa que está distante de nós, mas à vista. Vejo assim esta experiência litúrgica da celebração do Pentecostes: como um beijo que Jesus no transmite, animando-nos a continuar a missão de anunciar a mensagem do amor de Deus.

Que esta celebração lance a matriz do que pode ser o nosso Tempo Comum: o de espalharmos gestos de paz, alegria e de perdão à nossa volta. São estes os ingredientes do encontro com Deus na fé e com os irmãos na fraterna solidariedade.

[Oração] Sal 103 (104)

[ContemplAção] Em: twitter.com/padretojo

Autor:

Padre da Diocese de Viseu