Um “novo Gamaliel” a pactuar com uma “nova Apostolicidade”!

[Leitura] Act 5, 34-42; Jo 6, 1-15; Viagem Apostólica do Papa Francisco ao Egito

[Meditação] Gamaliel foi professor de Saulo no que toca às leis judaicas. Um excelente professor, não só porque ensinou bem a matéria, mas também porque o ajudou a perscrutar a novidade que, por momentos, o aluno não quis incluir nas notas de pé de página que alargam o conhecimento à realidade. Hoje, a Liturgia mostra-nos este professor sábio não corre o risco de descartar o imperativo da realidade tal como se mostra em relação aos apóstolos que se alegram por serem ultrajados em nome de Jesus. Tal acontecimento não cabe na lógica material das leis (que resumem a aprendizagem de certos factos).

À luz do trecho de hoje dos Actos dos Apóstolos, contemplo a viagem do Papa Francisco como que a imitar os primeiros Apóstolos a não ter medo de se sujeitar ao “sinédrio” dos tempos modernos, no Egito (notemos que ele não quis ir “blindado”!). É evidente que as altas dignidades que se vão encontrar estão a ver mais realidade do que aqueles que teimam em lutar contra Deus, ao maltratar os cristãos.

A Palavra de Deus ilumina a nossa a história, onde esta se vê refletida como num espelho, até que vejamos Deus face-a-face. Em cada um daqueles chefes religiosos que se encontram no Egito se procurar reunir as condições só vislumbradas por Jesus no Evangelho, da criatividade que parte da partilha da pobreza do que cada um tem. Com a fé no mesmo Deus, se partirá para o acolhimento do milagre surpreendente que poderá levar a uma mais expressiva comunhão, promotora de uma mais coerente coesão social e da paz.

[Oração] Sal 26 (27)

[ContemplAção] Em: twitter.com/padretojo