O Ressuscitado propõe o encontro físico para o acolhimento do Espírito

[Leitura] Act 3, 11-26; Lc 24, 35-48

[Meditação] Está claro, a partir da Liturgia da Palavra, que a espiritualidade cristã se defina pela incarnação do Espírito em vez da espiritualização do corpo, o que não é sempre fácil de se perceber a partir do Corpo que é a Igreja na sua variedade de formas de comungar com a sua “Cabeça” que é Jesus Cristo Ressuscitado.

Após a Sua Morte, Jesus apareceu na visibilidade do Seu Corpo aos Onze, com provas evidentes! A este encontro comensal sucede-se a proposta da conversão, com a qual nos convida a viver como corpo de “ressuscitados” na Igreja. O que outrora recusámos com o pecado − o reconhecimento de Jesus como Filho de Deus Salvador − somos agora chamados a acolher no perdão, pela força do Espírito que nos leva ao arrependimento.

Esta dinâmica pascal não é uma questão de reflexão filosófica, portanto, mas de um encontro com Jesus Cristo mediado, hoje, pelo Corpo que é a comunidade dos crentes, a Igreja. Não admira que a melhor expressão pascal da fé no Ressuscitado, aquém de todas as provas como as primordiais que encontramos nos relatos das Suas aparições aos Apóstolos, é a comunidade viva dos crentes.

Alguns movimentos da Igreja, cada um a seu modo, procuram iniciar um processo de (re)conversão a partir da experiência da refeição, como é o caso do Curso Alfa e das Equipas de Nossa Senhora. Oxalá (que quer dizer “Deus queira”!) sejam movimentos orientados pró nova evangelização e não desagregação…

[Oração] Sal 8

[ContemplAção] Em: twitter.com/padretojo