Publicado em Lectio Humana-Divina

O Mundo por altar e a Igreja por púlpito

[Leitura] Hebr 7, 25 – 8, 6; Mc 3, 7-12

[Meditação] É interessante a pedagogia de Jesus, que não foge das multidões, mas vai ao encontro delas para curar os que padecem doenças, sem primeiro as “empanturrar” com discursos. Curava com pequenos gestos acompanhados por simples palavras a que podemos chamar de entrega ou caridade pastoral circunstanciada à vida concreta das pessoas. Depois, deixava-se (per)seguir e, não Se deixando amarrar, procurava um lugar para falar mais longamente aos discípulos: umas vezes o monte, outras a barca.

Penso que, antes da “liturgia da Palavra”, Jesus dava prioridade à “liturgia da Vida”. Nesta com o sacramento da cura, naquela quando queria levar os seus discípulos a compreender os mistérios do Reino, numa espécie de retiro à beira mar. Por vezes, tenho a impressão que “redomizamos” a liturgia, separando-a da vida ou absolutiando-a, quando, na verdade, ela é cume e fonte. E… qualquer monte está sempre relazionado com planaltos e vales…

A Carta aos Hebreus continua a insistir na novidade sublime do sacerdócio de Jesus Cristo, inegualável, mas aberto a que participemos n’Ele tal qual ele é, um sacerdócio à altura da nova aliança de que Ele é mediador. Por isso é que o sacerdócio comum dos fiéis e o sacerdócio ministerial têm de estar sempre em diálogo, de forma interdependente e sem exclusivismos, para que a entrega de uns, no mundo, se ligue com a pregação dos outros, no púlpito.

[Oração] Sal 39 (40)

[ContemplAção] Em: twitter.com/padretojo

Autor:

Padre da Diocese de Viseu