A missão de discernir a Verdade no meio da confusão

[Leitura] Is 49, 3. 5-6; 1 Cor 1, 1-3; Jo 1, 29-34

[Meditação] Hoje, na Igreja, aqueles sobre quem assistimos descer o Espírito Santo, porque invocado na fé que herdamos e transmitimos, são os que recebem o Sacramento da Ordem. Configurando-se com Cristo, Cabeça e Pastor, administram o mesmo Batismo no Espírito que procede d’Ele e do Pai. 

O Espírito que pairava sobre as águas na Criação, que permitiu o Povo escutar a voz de Deus através dos profetas, foi o mesmo que levou João Batista a reconhecer o Filho de Deus como novo Cordeiro, cuja missão é oferecer-Se na imolação pelo povo da Nova Páscoa, a Igreja. O mesmo Espírito é invocado sobre cada cristão, na Confirmação do Batismo, o Crisma, que nos faz participar a todos na missão de Jesus.

Esta missão de Cristo Pastor aparece implítica nas três leituras deste II Domingo do Tempo Comum: o testemunho proclamado por João, a santidade celebrada por Paulo e o serviço anunciado por Isaías. Como João Batista, saibamos discernir a verdade no meio da confusão: significa abrirmo-nos ao Ressusctiado que, constantemente, vem ao nosso encontro com o Espírito de Paz. O Cordeiro que Ele nos apresenta é Aquele que, tocando a Cruz com o Seu Sangue, nos faz entrar na Nova Terra Prometida.

[Oração] Sal 39 (40)

[ContemplAção] Em: twitter.com/padretojo