Irrepreensibilidade, espaço para a fecundidade de um encontro

[Leitura] Jz 13, 2-7. 24-25a; Lc 1, 5-25

[Meditação] O nascimento de Jesus foi antecipado por outros nascimentos onde a irrepreensibilidade deu espaço à dádiva da vida com que Deus presenteou a humanidade. Se aconteceu assim com personagens do Antigo Testamento, também a partir do Novo Testamento, a vivência correta dos valores cristãos permite criar um espaço onde o encontro com Deus traz a novidade esperada.

Não é fácil ser-se irrepreensível, quer dizer: em que não se encontra nada que repreender. Há uma fronteira ténue entre o consumo permitido e o abuso, entre a dúvida e a desconfiança…, que nos faz perceber menos ou mais a ação de Deus que, apesar das nossas fragilidades, é sempre uma ação fiel de bondade.

A questão será não tento se Deus vai agir ou não deste modo. Será mais se vamos estar atentos na hora de acolher a sua misericórdia infinita através desta ou daquela ação fecunda, a pontos de podermos, também, cooperar no seu projeto salvífico.

[Oração] Sal 70 (71)

[ContemplAção] Em: twitter.com/padretojo