Publicado em Lectio Humana-Divina

Advento I – Um novo início antes do fim

[Leitura] ADVENTO − ANO A: Is 2, 1-5; Rom 13, 11-14; Mt 24, 37-44

[Meditação] É costume, ao escutarmos a linguagem apocalíptica que serve de “ponte” entre o tempo comum e o tempo de advento, pensarmos que hão ou haviam de acontecer coisas mirabulantes para que tudo fizesse sentido na nossa mente, de forma que o Natal fosse, também, um encontro mais emocionante. Alguns, até, o “fabricam” com o limitado poder humano do dinheiro que leva a consumir mais para que se viva mais a sensação do que a realidade.

Não! Jesus falou de algo que aconteceu, acontece e acontecerá. Não vivemos em nenhuma redoma entre acontecimentos do passado e do futuro. O presente é esta experiência real, entre o nascer e o morrer, em que nos é dada a graça de fazer parte de um projeto de amor. Escusamos de andar à procura ou de ficar à espera de, como as chama o Papa Francisco, “quimeras” de uma eterna felicidade aqui na terra, porque só Deus é que no-la pode garantir no seu Reino.

Este Reino também não é um apartheid. Ele está, de certo modo, vedado aos nossos olhos, mas começa já aqui, entrelaçando-se os seus valores com a busca daquela felicidade, no encontro entre a sua teoria e a sua prática, entre o seu anúncio e a sua realização. Não é por acaso que o ano litúrgico inicia um mês antes do início do novo ano civil. Para os cristãos, o que ajuda a recomeçar é o que perdura sempre, porque o movimento é o da espiral da graça que eleva sempre, mesmo diante da caducidade do tempo. Já os que arquitetam o fim do ano civil, se vivido fora dessa graça, fazem-nos correr o risco de permanecer num círculo vicioso sem fim.

Uma inquietação: não haveria de ser mais clara, na Igreja, a definição do ano pastoral, de encontro ao pastoreio de Jesus Cristo que o ano litúrgico nos faz contemplar na Palavra e nos Sacramentos que derivam da Páscoa e que são dispostos a uma assimilação mais proveitosa nos tempos fortes? Talvez, até, o tempo e o poder comum tirasse mais proveito dessa centralidade.

[Oração] Sal 121 (122

[ContemplAção] Em: twitter.com/padretojo

Autor:

Padre da Diocese de Viseu