Publicado em Lectio Humana-Divina

Dou-te O que tenho: Jesus Cristo!

[Leitura] Act 3, 1-10; Gal 1, 11-20; Jo 21, 15-19; Act 12, 1-11; 2 Tim 4, 6-8. 17-18; Mt 16, 13-19

[Meditação] O conjunto das leituras das Missas da Vigília e do Dia desta Solenidade dos Apóstolos Pedro e Paulo dão espaço à reflexão sobre um tema especial que nos pode ajudar a ver os Apóstolos e a Igreja que eles ajudaram a fundar e a expandir a partir da busca do fundamental poder que Jesus Cristo lhes/nos deixou nas mãos. Tanto Pedro como Paulo sabem que «não foram a carne nem o sangue» que os levou a proclamar a Fé e o Evangelho às nações. Quer um quer outro tiveram de passar por um “crivo” em que o desnecessário ficou para trás e o essencial foi vertido como que numa “píxide” especial para poderem perpetuar a missão de Jesus pela história.

Esse poder não se exerce de forma violenta, nem implica a posse de bens que imponham ou condicionem a importância da sua presença. Os apóstolos e os seus sucessores são como que “píxides” nas quais transportam Jesus Cristo para os que tiverem fome e sede da sua vida eterna. Estes vasos, no entender de Paulo, são de barro e nem sequer precisam deixar de o ser. O que é preciso saber é que O que transportam é sublime e é urgente que seja partilhado para a salvação de todos.

Como podemos chegar, novamente, a ter que somente afirmar diante dos desafios deste tempo «não tenho ouro nem prata, mas dou-te o que tenho…»? Razão tem o Papa Francisco em afirmar que não se importa que as dioceses tenham ecónomos desastrados que gastem o dinheiro todo, pois, na verdade, a essencial missão da Igreja não depende do poder material, mas do poder espiritual que lhe foi entregue pelo seu Divino Fundador e que é chamada a transmitir na fidelidade. Esta fidelidade tem a sua dimensão vertical (a Deus) mais patente na pessoa de Pedro e a sua dimensão horizontal (à Humanidade) mais patente na pessoa de Paulo. Ambos continuam, no Papa e nos que estão unidos a ele em todo o mundo, a partilhar o que sobrou na multiplicação dos pães que Jesus realizou naquele tempo.

[Oração] Sal 18; Sal 33

[ContemplAção] Em: twitter.com/padretojo

Autor:

Padre da Diocese de Viseu