Publicado em Lectio Humana-Divina

A criatividade do Espírito com que Jesus completa a Lei

[Leitura] 1 Reis 18, 20-39; Mt 5, 17-19

[Meditação] A “pequena letra” ou o “pequeno sinal” que não passam sem que toda a Lei se cumpra, certamente, são a totalidade que Jesus conhece acerca do projeto de Deus de salvar a humanidade. O seu objetivo não é “salvar” uma religião com a escravidão do ser humano, mas salvar este com as palavras e gestos que criam vida nova. Ele vai gerindo o que diz e o que faz, tendo em conta o objetivo que é salvar a humanidade e tendo um conhecimento progressivo do projeto de Deus e do seu papel messiânico nesse projeto. Portanto, o ser humano está no centro das suas atenções, critério para a sua ação entre a luz da totalidade do amor de Deus e o realismo crítico diante de cada situação do viver humano. Isto parece dar muito trabalho e dor de cabeça, não?!

Pois é, no que toca a salvar o ser humano, não nos podemos ficar em “meias tintas”, como se em cada tempo, a par e passo, bastassem umas técnicas e estratégias meramente circunstanciais, ainda que bem fundamentadas na teoria. A criatividade do Espírito com a qual Jesus empreendeu corajosamente a sua missão, muitas vezes em confronto com o que era instituional, implica uma abertura muito grande, quer à realidade vivida pelas pessoas, quer àquilo que Deus nos vai dizendo em cada tempo pela Palavra, pelo Magistério e pelas sementes do Verbo que estão eternamente semeadas.

Quanto pensares em defender uma lei ou um preceito humano, coloca sempre diante desse propósito os seguintes critérios:

  1. Que fundamentação bíblica e magisterial?
  2. Que eficiência apostólica na fidelidade a Deus e ao ser humano?
  3. Que eficiência humanizadora, tendo em conta o ser humano como ser social-comunitário?
  4. Que injustiças causará?

Enfim, sem medo dos homens e temendo a Deus, no afeto ao que nos revelou por intermédio de Jesus Cristo, como faria Ele diante desta ou daquela situação?

[Oração] Sal 15 (16)

[ContemplAção] Em: twitter.com/padretojo

Autor:

Padre da Diocese de Viseu