Na Cadeira de Pedro “senta-se” um ministério solidário

[Leitura] 1 Pedro 5, 1-4; Mt 16, 13-19

[Meditação] Na sua cátedra, Pedro toma uma Palavra que não é dele, mas que lhe foi inspirada pelo Espírito Santo. Vemos isso desde o início, quando Jesus lhe lembra isso: «Não foram a carne e o sangue que to revelaram…». O que ele ofereceu foi a sua solidariedade, em conformidade do que aprendeu no seguimento de Jesus Cristo. Por isso, nesta Cadeira senta-Se, ao mesmo tempo, Cristo Cabeça e Pastor.

Portanto, precisa-se de fé, aquela acolhida no Tabor, para estarmos unidos “in solidum”, quer dizer, solidários com a autoridade petrina, uma vez que o mesmo é solidário com a autoridade de Cristo, no serviço humilde e forte. E é preciso cooperar «não constrangidos mas de boa vontade». Para isso, requer-se discernimento verdadeiro (apoiado no mesmo Espírito Santo) para aquilo em que se há-de cooperar solidariamente, por duas razões: 1ª para que não andemos a fazer o que não é necessário (porque originado somente pelas nossas cabeças pensantes); 2ª para não nos ser pedido o que não deveria ser pedido (por uma autoridade subserviente às modas do mundo).

Não nos devemos esquecer que a vocação de cada um é sempre Dom e Mistério, como nos testemunhou João Paulo II no 50º aniversário da sua ordenação sacerdotal. Sempre o diálogo entre duas “autoridades”: a vontade de Deus e a liberdade da pessoa. Mediar este diálogo é responsabilidade deste ministério solidário entre a Cabeça que é Cristo e o Seu Corpo, a Igreja. Maria, Rainha dos Apóstolos, assista sempre com o seu coração materno o Santo Padre e os seus mais diretos colaboradores!

[Oração] Sal 22 (23)

[ContemplAção] Em: twitter.com/padretojo