A mãe da loucura é mãe da liberdade num coração indiviso

[Leitura] Sir 47, 2-13 (gr. 2-11); Mc 6, 14-29

[Meditação] Se colocarmos em paralelo os comportamentos das personagens que “habitam” nos dois textos de hoje, vamos dar conta que existem duas “mães” diferentes a educar o percurso de David e de Herodes. Reparamos, também, que a loucura é filha do desejo e a liberdade é filha do sacrifício. O desejo responde à imediatez da honra mundana; a liberdade separa esse tipo de “gordura” da harmonia da comunhão.

Notoriamente e apesar das fragilidades do caminho, mas com a confiança na misericórdia de Deus, David reinava para evitar a humilhação do seu povo, homenageando o Santo Altíssimo. Ao contrário, Herodes, apesar de admirar o que vinha da “cabeça” de João, deixava a ”mãe” loucura reinar para impedir a sua própra humilhação, premiando o seu desejo.

Os mártires de hoje que, como Santa Águeda e David, entregam a sua vida ao Deus Altíssimo, têm um coração indiviso, não deixando de ser livres diante dos que matam o corpo e vivendo a loucura permitida pelo Espírito de Deus.

[Oração] Sal 17 (18)

[ContemplAção] twitter.com/padretojo