Publicado em Lectio Humana-Divina, Oração

Novena de Natal 2015 – Dia 0: Voltemo-nos para Aquele que já está entre nós

[Leitura] Is 45, 6b-8. 18. 21b-25; Lc 7, 19-23

[Meditação] Com o dia de hoje, conclui-se a primeira etapa do tempo de Advento. A partir do dia de amanhã, inicia-se a chamada “Novena de Natal”. Até agora, as leituras da Liturgia prepararam-nos para este vinda de Cristo, com a ajuda central das figuras de Maria e João Batista; a partir de agora, como acontece com os protagonistas do Evangelho de hoje, o Precursor envia-nos ao Àquele que é anunciado e que já está no meio de nós, para Lhe fazermos a pergunta em nome pessoal: «És Tu Aquele que havia de vir ou devemos esperar outro?». À resposta a esta pergunta, nenhum dos que querem conhecer Jesus podem escapar se quiserem reconhecê-Lo. Hoje, e na sequência do confronto de Jesus com os príncipes dos sacerdotes e anciãos do povo, Jesus revela-Se um pouco mais aos discípulos que Lhe são enviados por João, um pouco à maneira dos anjos aos pastores, em relação aos que não quiseram reconhecer a vinda do Messias. Manifesta-lhes ser Ele Aquele que havia de vir pelos milagres que faz, pela salvação que ele traz, na sequência do que o Povo de Deus estava habituado a ouvir falar de Deus pelos profetas: Deus define-Se pelo seu dinamismo ou ação em favor do seu Povo, como nos mostra a profecia de Isaías.

A Liturgia, a partir de amanhã, coloca-nos diante da memória histórica do nascimento de Jesus, a começar pela linhagem humana, como prova irrefutável de que este nascimento tem uma relação histórica com o Povo de Deus.

A partir de amanhã, com a etiqueta “Novena de Natal 2015”, aparecerá uma proposta de Oração, complementando a proposta de Lectio Divina diária. A origem desta prática de devoção faz referência aos 9 dias que passaram entre a Ascensão e Pentecostes, enquanto os discípulos – segundo o pedido de Jesus – permaneceram em oração, com a companhia de Maria, esperando o Espírito Santo (cf. Lc 24, 49; Act 1, 4).

[Oração] Em: Categorias

[ContemplAção] Em: twitter.com/padretojo

Autor:

Padre da Diocese de Viseu