Missão incarnar

[Leitura] Is 53, 10-11; Hebr 4, 14-16; Mc 10, 35-45

[Meditação] Estamos habituados a fixar a nossa atenção no conselho evangélico que nos leva a ocupar, com humildade, os últimos lugares das igrejas e da vida, diante dos irmãos. E é bem! Neste XXIX domingo do tempo comum, Jesus concede-nos o primeiro lugar. Sim, o primeiro! Não está proibido ocupar este lugar. E o modo de o ocupar é consequência do mesmo modo de ocupar os últimos lugares: o serviço. A Incarnação do Verbo de Deus já aconteceu de uma vez por todas, mas ainda está por ser partilhado para todos os deste tempo e dos que virão. E esse dinamismo acontece através da capacidade de ocuparmos sequencialmente esses lugares: o último nas igrejas/assembleias e o primeiro… nas praças e ruas das aldeias e das cidades… onde há pobres para servir e marginalizados para encontrar. A humildade e a capacidade de se “primeirear” não são incompatíveis. Já o são, pois, essa coragem de tomar iniciativas pastorais em favor dos outros e as honrarias e os carreirismos, por vezes, presentes em quem exerce ministérios. A missão da Igreja não é “afixar quadros nas paredes”, onde pudéssemos estar à direita e à esquerda de Jesus. Missão é continuar a “incarnar” a Boa Notícia no mundo para que os “esqueletos” das estruturas e pessoas sem rumo possam fazer parte da “carne” do Corpo de Deus cuja cabeça é Cristo Ressuscitado.

[ContemplAção] Em: twitter.com/padretojo