Ser bom para seguir ou seguir para ser bom?

[Leitura] Sir 17, 20-28 (gr. 24-29); Mc 10, 17-27

[Meditação] Bom é Deus e nem sequer Jesus Se advoga como tal diante daquele homem rico (um jovem na versão de Mateus; cf. Mt 19, 16ss). Na verdade, não Lhe importa tanto que aquele homem ou jovem tenha cumprido tudo quanto à Lei (“parabéns!”), quanto ao desprendimento implicado no Seu seguimento. Ser bom é possível para Deus. Seguir Jesus Cristo é impossível para o homem se não tender para a bondade de Deus. Mesmo assim, Deus poderá ajudar-nos a ultrapassar todos os obstáculos que impedem de o alcançar. Mas… será possível que o homem, mesmo assim, não aceite trocar as suas riquezas pelo sumo bem que Deus é e que quer partilhar com ele? Tem-se falado que um dos problemas atuais dos cristãos, que os impedem de ser testemunho mais eficaz no mundo, é o da “obesidade espiritual” ou “consumo” de ritos que os colocam ao lado daquele homem rico (de leis cumpridas e de bens materiais). De facto, manter ativo um consumo espiritual implica encontrar novas ideias para refazer o cenário celebrativo, quando o culto verdadeiro é o que é realizado “em espírito e em verdade”. Obesos espiritualmente corremos o risco de não entrar, assim como não deixar entrar. Entupimos a entrada! Se estamos à espera de ser perfeitos para que Jesus nos aceite no grupo dos seus seguidores, então não compreendemos que o caminho que ele nos propõe é, Ele mesmo, amizade que faz crescer e ser melhores, à luz do Amor do Pai que se espelha no Seu rosto.

[ContemplAção] Em: twitter.com/padretojo