Um novo “parto” que personaliza o Sopro de Vida

[Leitura] Act 4, 23-31; Jo 3, 1-8

[Meditação] É preciso “nascer de novo” para poderes entrar no Reino de Deus. É uma afirmação que Jesus faz ao velho Nicodemos, deixando-o desconcertado: “Como posso, sendo já velho?”. Nascer para este mundo já foi obra do Criador que, com o seu Sopro divino nos chamou à Vida. No entanto, como todos sabemos pela experiência de perda, pela morte dos nossos entes queridos e conhecidos, não se tem aqui morada permanente. Alguns homens contrariam esta verdade, apesar de tudo, quando nos querem “prender” a esta vida, não permitindo que anunciemos uma outra Vida, mais completa, no Reino de Deus.Se o Senhor permitiu aos seus Apóstolos continuar a fazer, em Seu nome, curas, milagres e prodígios, não foi para nos dar uma saúde meramente física e frequentadora neste mundo; foi, sobretudo, para que tenhamos a capacidade e disponibilidade para aceitar entrar no seu Reino. Para isso, é necessário, com a luz do Espírito Santo, anunciar com firmeza a Palavra de Deus, a Palavra que nos oferece o “programa” desse novo estilo de Vida. Este novo dinamismo, possível para quem aceita o Batismo (vida nova em Cristo) e a Unção do Espírito (Confirmação do mesmo na ação missionária), pode acontecer em todas as idades, sem limites, a não ser o de querer, de uma vez por todas, ir contracorrente e deixar as obras da carne ou das trevas, aderindo às obras da luz ou do Espírito de Deus.

Este “parto”, como o primeiro, também não é indolor: o primeiro doeu à mãe; este segundo inclui transportar a cruz pessoal, neste processo de Páscoa. O Sopro de Vida do Criador insuflou o Espírito em toda a humanidade; este novo nascimento, pela água e pelo Espírito, personaliza o poder de Deus em cada um, reconhecido como filho no Filho, tornado capaz de voar através do mesmo Amor que é o Seu Espírito transbordante partilhado.

[ContemplAção] Em: twitter.com/padretojo

%d blogueiros gostam disto: