Publicado em Lectio Humana-Divina

O dia do Senhor: do sol-posto ao raiar-da-manhã

[Leitura] Job 7, 1-4.6-7; 1Cor 9, 16-19.22-23; Mc 1, 29-39

[Meditação] Neste 5º Domingo do Tempo Comum, S. Marcos mostrou-nos como terá sido um dos dias de Jesus: depois da sinagoga foi a casa de Pedro e livrou a sua sogra da febre, começando esta a servi-los; depois do sol-posto curou muitas pessoas das que estavam diante da porta; descansou; levantou-Se e saiu para orar num sítio elevado; caminhou, com os discípulos para outros lugares para pregar e curar.

Este relato dá-nos a impressão de que o dia de Jesus começa quando a felicidade das pessoas declina. A Sua presença na vida humana começa onde existem doenças e enfermidades, para que todos, como Ele e os seus discípulos possam ver o sol da manhã seguinte. Não é por acaso que sempre gostei de juntar a tarde de sábado à manhã de domingo e de lha chamar “dia do Senhor”! Constataremos (na segunda-feira da 5ª semana TC) que, na criação, também se refere esta ordem de fatores: “veio a tarde e, em seguida, a manhã…”(cf. Gn 1,5). Assim, também, na nova criação?!

Nesta liturgia dominical, Job ajuda-nos a perceber como somos fracos, mas também a perceber o sentido do sofrimento. No Evangelho, acreditamos que, em Jesus, Deus toma uma posição em relação aos dramas da vida humana. O Apóstolo Paulo aconselha-nos a evangelizar em vez de ficarmos parados a lamentar o que nos acontece de mal. Em boa verdade, o Evangelho cura-nos mesmo antes de o testemunharmos aos outros. Não foi isso que o Papa Francisco nos lembrou na sua recente exortação “A Alegria do Evangelho“? Somos chamados a comunicar o bem que o Senhor operou na nossa vida. É assim que o Evangelho é boa notícia!

E o teu dia, como é que é? Acordas cada manhã a pensar só em ti ou começas a dar atenção à falta de “sol” na vida dos outros? Aconselho-te a ver o conselho que o Papa Francisco deu a um jovem que lhe contou que estava a enfrentar uma dificuldade. Sê tu essa pessoa próxima, para que os outros possam encontrar a sua manhã radiante. Pode acontecer que sejamos fracos e até pobres; mas, também, com o Evangelho, livres!!

[ContemplAção] Em: twitter.com/padretojo

Autor:

Padre da Diocese de Viseu