Contra a globalização da indiferença, a globalização da fraternidade

[Leitura] Num 6, 22-27; Gal 4, 4-7; Lc 2, 16-21; Flm 15-16; Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial da Paz

[Meditação] Hoje é o Dia Mundial da Paz. Santa Maria, Mãe de Deus confere-lhe Solenidade. O Papa Francisco, na sua mensagem, retoma a “abolição da escravatura”: não se trata da já não legalizada, mas daquela subtil escravatura que priva da liberdade em tantos modos de constrangimento a viver em condições semelhantes às da escratatura. A solução é apontada: a “globalização da fraternidade”, que permite reunir esforços que desinibam o limite de competências individuais, potenciar o respeito pela diferença, de forma a se poder devolver esperança a quem perdeu a dignidade de filho de Deus.
Se Cristo nos veio fazer herdeiros da filiação divina, libertando-nos de tudo o que nos oprime, então a escravatura – seja de que causa for ou os fins que sirva – não tem sentido.
Deus faz a sua parte: liberta desde o interior de cada pessoa, com a sua infinita misericórida (á parte do que parece ser impossível para o próprio homem); a cada um de nós, no exterior – nas relações sociais – é dada a missão de cooperar, acolhendo os outros – seja quem for e em que situação estiver – como irmãos.
Santa Maria, Mãe de Deus e nossa Mãe, protege-nos da indiferença que escraviza!