Publicado em Lectio Humana-Divina

Natal de Jesus: Maria aceitou, José patenteou, os Pastores acolheram, os Magos universalizaram… e tu?!

Apesar das luzes e das tradições que “enfeitam” o Natal, muitos de nós vivenciamos a celebração do mesmo com um misto de fé e de esperança: fé em Jesus nascido como Paz para a humanidade; esperança em que Ele realize algo de maravilhoso na nossa vida ou na de quem nos pre-ocupa.
Uma notícia dramática, um doente de hospital, um amigo ou parente a sofrer qualquer dor, uma solidão paralisante… fazem-nos clicar no botão de “pausa” no comando desta celebração: talvez porque estes fragmentos de vida tenham profundamente a ver com ela; ou porque é necessário customizá-la a partir de dentro e não de fora.
Jesus nasceu na noite e pobre… para os que andam na noite das trevas e os indigentes de qualquer bem ou valor. A condição do Seu nascimento pode inspirar-nos olhar mais para as pessoas em particular e as situações que elas vivem em particular. Afinal, Ele veio para cada um e, desta forma, para todos. Se assim não fosse, a Solenidade do Natal seria como mais um daqueles dias comemorativos de qualquer coisa que se celebra no geral mas não se aplica muito no particular da vida, levando a apregoar muito e a concretizar pouco.
Natal é como a música: existe quando se interpreta. Vamos executar o Natal?! Ele existe e quer que o vivas em cada um e todos os dias, para cada um e todos os seres humanos com quem te encontres.
Maria aceitou a proposta, José patenteou a sua causa, os pastores acolheram a Boa Notícia e partilharam-na, os Magos investigaram, investiram e universalizaram… E tu… o que vais fazer com este misterioso Nascimento?

Autor:

Padre da Diocese de Viseu