Publicado em Lectio Humana-Divina

Dupla fidelidade não é duplicidade!

Ainda ontem celebrámos na Liturgia os mártires vietnamitas SS, André Dung-Lac e Companheiros. Ao mesmo tempo, assistimos, nas notícias da atualidade, aos crimes fiscais de branqueamento de capitais que mancham a hsitória política do nosso país. Sabe-se que aqueles santos mártires foram homens exemplares nos seus deveres cívicos, ao mesmo tempo em que foram fiéis no anúncio da Boa Nova.
O que fará com que alguns homens nem sequer consigam ser fiéis às leis do próprio país? Estarão desorientados do ponto de vista dos valores mais básicos da sã convivência humana? O que os terá levado a estar à frente dos destinos de uma nação? São perguntas inquietantes cuja resposta não é fácil de dar sem ferir sensibilidades.
Assim, aqui fica a proposta para reflexão: é possível ser-se fiel a Deus não correndo o risco de se ser um duplo. Ser fiel a Deus e ser cumpridor das leis de um estado dá unidade de vida, pois na vida, segundo o Criador, tudo converge para a felicidade do ser em sociedade.
O que faltará a quem não é fiel a uma boa contribuição das coisas da ordem terrena?

Autor:

Padre da Diocese de Viseu