Publicado em Formação Sacerdotal

Entre a fraternidade e a missão: aconselhar, corrigir, consolar

Alegro-me ao poder partilhar a existência de um percurso de formação permanente para padres, religiosos e leigos, não como tratado, mas um percurso experimentado. Trata-se do relato da experiência feita pelo próprio MARCO BOVE, sacerdote da diocese de Milão, encarregado pelo Instituto Sacerdotal Maria Imaculada, a partir do qual é responsável pela formação permanente dos padres mais jovens, religiosos e leigos. A experiência que ele nos apresenta na obra Consigliare, Correggere, Consolare – Un percorso di formazione per preti, religiosi e laici (Àncora Editrice) faz-nos contemplar a importância do crescer das relações de conhecimento e de confiança no âmbito da formação permanente, não só entre aqueles que estão num caminho, mas também entre quem tem um papel formativo e quem é chamado a deixar-se acompanhar nos primeiros anos de experiência apostólica. Este maior desafio da formação permanente traduz-se, na perspectiva e experiência do autor, na atitude encontrar o outro e deixar-se encontrar.
O círculo onde ele propõe que se viva esta atitude é, precisamente, aquele das relações que se vivem entre a fraternidade (na comunidade humana de pertença) e os destinatários e os serviços da missão. É bonito ouvir falar de dar conselhos, receber conselhos, de correcção fraterna feita e aceite, e de consolo e misericórdia para com aqueles que sofrem. No entanto, escasseia essa voz e o desafio torna-se grande quando se invertem os papéis de quem tem que, por dever e direito, aconselhar, corrigir e consolar.
Por isto, esta experiência partilhada é uma experiência viva, um percurso onde essas atitudes se manifestam, como ensaio de uma fraternidade mais afectiva para uma missão mais apostolicamente eficiente.
No percurso entre a fraternidade e a missão, não nos fazem falta só as reuniões e as equipas de trabalho, mas, sobretudo e para que se possam contemplar sem distúrbios os horizontes vastos da vocação cristã, verdadeiros colóquios práticos onde se experimentem as atitudes evangélicas aqui referidas: aconselhar, corrigir, consolar. É a reciprocidade do “dar e receber” em chave vocacional e ministerial.

Autor:

Padre da Diocese de Viseu