Publicado em Integração Psico-Espiritual

Confiança

Neste IV Domingo da Páscoa juntaram-se várias festividades: O Domingo do Bom Pastor, o Dia Mundial de Oração pelas Vocações e o Dia da Mãe. O Santo Padre convida-nos a reflectir sobre a confiança e mais do que reflectir, a confiar na iniciativa de Deus e na resposta humana, neste diálogo misterioso que se define de vocação.

Confiança – um tema sugerido por todas as efemérides: Mãe, Bom Pastor, Vocação. Qual foi a criança que desde o ventre e ao colo de sua mãe deixou de confiar na sua voz única e toque afável? Qual foi o pastor que alguma vez deixou de fora do redil a sua ovelha depois do escurecer? Qual força nos fará desistir de responder à iniciativa do melhor amigo? Ainda que, por vezes, a contingência humana faça experimentar algo contrário, quando experimentamos a confiança, ela transforma-nos a partir do nosso interior.

Amedeo Cencini ensina-nos que a confiança começa por ser uma atitude do interior: um modo de nos vermos a nós próprios, o mundo, os outros e Deus. Confiamos porque fizemos experiência. Mas ao mesmo tempo, poderá representar uma aposta, um arriscar em algo que não conhecemos ou até desconfiamos: o futuro, uma pessoa desconhecida, uma capacidade apta para aquele objectivo… Neste caso, a confiança implica abandono numa força superior, numa sorte qualquer. Para quem crê: abandono em Deus.

Quando confiamos, fazêmo-lo em algo que experimentámos de bom. Hoje, torna-se cada vez mais urgente proporcionar aos mais novos experiências boas. estas são geradoras de confiança, quando os ajudam a sentir-se dentro dessas experiências a ponto de se conhecerem e conhecerem os outros, e o Outro.

Experimenta o bem! Confia! O Bom Pastor guia-te, porque a sua mão esteve sempre por perto!

Autor:

Padre da Diocese de Viseu