Luta cristã

É um tema recorrente, o da luta cristã, pois também é uma realidade sempre presente no quotidiano de quem toma a vida a sério. No arco da existência humana que vai desde a concepção e nascimento até à morte, os acontecimentos do desenvolvimento humano não são somente fragmentos separados.

O drama que se desenvolve na aventura humana e cristã tem dimensões bem mais profundas e altas. O encontro, o desencontro ou a luta não acontecem somente com o ambiente corpóreo, social e cultural; também não é somente uma luta contra si mesmos ou com partes de si que representam fragmentos do mundo natural ou social. A dimensão real da luta é a da pessoa na sua totalidade que, ao fim, se encontra com Deus, aliado que também se pode tornar um “adversário”. Não digo isto para escandalizar, continue a ler…

As mediações em que o mistério se realiza e se manifesta farão abrir o diálogo, a luta, a uma multiplicidade de níveis. Não acontecerá só a “pura” luta do “eu” com Deus perdido e encontrado, mas uma série complexa de diálogos com o próprio mundo corpóreo e espiritual. Não se pode, pois, perder de vista que se o mistério do homem funda as próprias raízes seja na altitude do chamamento, seja na profundidade do seu ser limitado, nenhuma daquelas mediações que configuram os diálogos e as várias lutas é indiferente ao único e verdadeiro diálogo que conta, a única e verdadeira luta que vale, com o Deus-homem.

Poderá acontecer que muitas das lutas quotidianas não relacionem aquela altitude do chamamento humano à santidade com a profundidade das limitações pessoais. Sem essa relação, a luta reduzir-se-á isoladamente a luta psicológica, cultural, política, biológica, perdendo-se a transparência no confronto com aquela altitude e profundidade verdadeiras.

Conselho psico-espiritual para enfrentar, ou melhor, conduzir as suas lutas:

No seu aqui e agora poderás sempre pôr duas perguntas:
– Este acontecimento, esta pessoa, provocam em mim que sentimentos?

– Estes sentimentos estarão radicados a que parte do meu interior, a que circunstâncias passadas semelhantes?

– O que é que o Evangelho me diz sobre esta situação? Que verdade/valor me chama a escolher/seguir?

Assim, “unindo as pontas” da altitude (chamamento do Alto) e da profundidade (minhas limitações pessoais profundas) vale a pena lutar, porque, ao mesmo tempo que luto, sigo!