Sim e não!

O Advento apresentou-nos várias figuras cujas vidas constituem antecipação no mistério do Natal. Entre essas figuras sobressaem duas: Maria e João Baptista. Cada ma destas personagens deu o seu sim a Deus. No entanto, aprendamos algo de interessante da relação com estas duas figuras, de algo que também Jesus mais tarde nos advertiu:
O sim de Maria é um sim positivo. Apesar das suas dúvidas, Ela deu o seu assentimento ao Anjo do Senhor. É positivo porque Ela abandona-se toda nas mãos do Senhor, de Quem quer ser escrava, abrindo-se à sombra do Espírito.
O sim de João Baptista é, a perceber pelos textos que temos vindo a proclamar nesta época, um sim que acontece por negação humilde da sua pessoa, para circunscrever melhor a sua missão como precursor. Ele diz: não sou Elias, não sou o Profeta, não sou o Messias.
Com estas personagens fundamentais do Advento aprendemos a dizer sim, umas vezes porque sim e outras vezes porque não. Há o sim que às vezes damos porque nos sentimos predispostos a corresponder a uma acção de forma positiva; há também o sim que é dado a partir do não.
É a Verdade e a Bondade de Deus que pode imuminar o nosso realismo crítico para podermos responder sim, mesmo através da virtualidade do não. De facto, quantos sins escondem nãos e quantos nãos escondem sins!
Como Jesus, enfim, sejamos, no nosso dizer e fazer: sim, sim; não não. Esta afirmação de Jesus teve aqueles antecedentes maravilhosos, pela afirmação e pela negação: Maria e João Baptista. Nestas e nas outras personagens do Advento (José, Isabel e Zacarias, etc.) há sempre qualquer coisa a imitar!