Publicado em Integração Psico-Espiritual

Amizade espiritual

A amizade é uma experiência de que todos nós, desde a infância, fazemos parte. Ela nasce, como todas as outras experiências, entre as quais a religiosa, primeiramente como experiência afectiva que progride da original dependência à consecutiva inter-dependência que confere àquela o equilíbrio com a autonomia pessoal.

No entanto, não se pode viver sem amigos! À medida que a pessoa vai crescendo em maturidade, a amizade vai-se transformando: o conceito na mente e a forma no coração de quem a procura viver.

O que é afinal a amizade?
Cícero dizia que «é o acordo, cheio de benevolência e de caridade, sobre as coisas hmanas e divinas». Aelredo de Rievaulx, ao relacionar amizade com o amor e a caridade acrescenta que ela existe entre aqueles que são bons, ou seja: nos que procuram fazer o bem e neste concordam com o conjunto das suas forças. A amizade é a força recíproca capaz de nos ajudar a viver a quietude do coração.

A amizade não é um fim em si mesmo, nem é a mássima expressão de amor, pois na caridade ainda somos chamados a amar mais profundamento o objecto de que não somos chamados a ser amigos: os inimigos. Assim, a amizade espiritual, aquela que implica os amigos no bem, é um instrumento não só para a felicidade dos que a vivem e promovem, mas também um instrumento valioso para a forma mais plena de amor: a caridade cristã.

É, pois, feliz aquele que com tranquilidade possa partilhar a quem é amigo as suas angústias e pensamentos do coração, de forma que nesta partilha se possa aprender e ensinar, dar e receber, proporcionar e alcançar. Enfim, a amizade espiritual proporciona a que se faça aquele caminho iniciado na infância para a adultez espiritual, que vai da amizade carnal (sensibilidade emotiva), passando pela amizade mundana (que nasce do ardor pelas coisas temporais) até à propriamente dita amizade espiritual, que é desejada e procurada não porque se intua qualquer vantagem terrena, mas porque tem valor em si própria, tem origem no coração humano, e o fruto que daí deriva não é mais que a própria reciprocidade da amizade.

A amizade espiritual tem a sua origem no Amor de Deus. É um dom do seu Espírito Santo: parte de Cristo, n’Ele se amadurece e para Ele nos encaminha como fim último.

Amigo(a): fico-te muito grato pela nossa amizade!

Autor:

Padre da Diocese de Viseu