Viver procurando

Só quem é curioso e quem está à procura aprende e só quem está decicido vencerá as dificuldades da aprendizagem. O coeficiente de curiosidade sempre me fascinou mais do que o coeficiente de inteligência. (E.S. Wilson)

O homem contemporânea está a ficar cada vez mais indiferente àquilo que é importante na vida e, pior ainda, não sabe distinguir o que é importande do que é secundário. Deixou de ter sensibilidade para as grandes questões existenciais.

São muitos aqueles que vivem sem certezas nem convincções profundas, impressionados por lugares comuns, com muitos interesses, mas sem profundidade interior. (J.A. Pagola)

Talvez seja este um dos nossos maiores erros. Proecupamo-nos por mil coisas e não nos apercebemos daquilo que é realmente importante: o amor, a alegria, a esperança, a paz interior.

Antes estava tudo estabelecido. A política e a religião regulamentavam tudo o que era permitido e proibido, o bem e o mal, o que se podia fazer e o que não se podia fazer, as normas taxativas… Tudo era submetido a preceitos… Hoje não é mais assim: hoje estamos sós e devemos escolher. Na teoria, somos livres, donos do nosso destino, mas devemos procurar a nossa identidade, o nosso caminho, o sentido da nossa vida…

Que coisa procuro na vida?
Porque luto?
Para que objectivo dirijo as minhas expectativas?
Que coisa quero fazer da minha vida?
Quais sao as minhas prioridades?
Para onde estou a andar?
Como posso conduzir uma vida mais coerente?
Quais são os valores fundamentais que guiam a minha vida?
Que posso fazer pelo próximo?
Qual é o meu projecto no confronto com o outro e a sociedade?

Quem é apto a fazer-se estas perguntas com sinceridade está já projectado para um caminho de procura.

%d bloggers like this: