Caridade Pastoral

A especificidade da espiritualidade presbiteral, em relação com o geral chamamento à santidade feito a todos os baptizados (cf. Lumen gentium, n. 40), deriva do facto de ser sinal sacramental, representação de Cristo Pastor em favor do seu povo. Eis porque a santidade do presbítero é aquela perfeição caracterizada pela configuração a Cristo Cabeça e Pastor, alimentada, pois, pela sua caridade pastoral.


Se pretendermos resumir em que consiste a espiritualidade do presbítero, podemos dizer que ela se sintetiza em dois polos: a configuração com Cristo que deriva da formação para e do Sacramento da Ordem e a caridade pastoral, fim dessa configuração. Um polo realiza o outro, fundamental e reciprocamente.

A entremear estes dois polos estão, pois, outros elementos não menos importantes que concretizam essa configuração e potencializam melhor aquela caridade pastoral: a relação “mediática” com o Bispo e com os irmãos presbíteros. Daqui resulta o bem das comunidades que compõe uma Igreja particular (a Diocese).

De facto, Cristo é o objectivo final que engloba toda a formação e vida presbiteral. Ele, por Sua vez, atendendo aos desígnios do Pai, no Espírito Santo, “configura-Se” com a pobre humanidade a quem o presbítero é destinado a doar-se, como consequência da sua configuração com Cristo*. Manifesta-se na espiritualidade presbiteral assim entendida com a soma fundamental daqueles dois polos o ciclo de caridade que é manifestação da Trindade (ver imagem, clicando), de onde se define com mais clareza e eficácia apostólica o ser e o agir do presbítero.
_________________
* Cf. M. GAHUNGU, V. GAMBINO, Formare i presbiteri. Principi e linee di metodologia pedagogica, Las, Roma 2003, p.59.

%d blogueiros gostam disto: