Um Deus Amor que desce ao "tempo da vida comum" para fazer comunhão connosco!

A Solenidade da Santíssima Trindade mostra-nos um Deus que é Uno e Trino, é Comunhão, que nos ama com um amor que é ao mesmo tempo “eros” e “agape”*, um Deus que Se manifesta na natureza humana através dos desígnios da família e da diversidade.
É um Deus que se “delicia em estar no meio dos homens”**. Por isso, o desafio deste “tempo comum”, depois do “planalto” da Páscoa, é avançarmos ao encontro desta presença de Deus Pai, Filho e Espírito Santo, através de um caminho de abertura pessoal.
Não é fácil esta abertura, pois implica de cada um de nós quebrar algumas resistências da mente e do coração para o que devemos analizar os nossos desejos e valores professos.
No entanto, saibamos que o princípio desta experiência espiritual implica primeiro aceitar, para depois avançarmos na compreensão dos mistérios da Vida que Jesus nos veio revelar***. Diferente é a experiência dos sentidos, na qual precisamos de estudar e conhecer primeiro para depois fazermos a aquisição ou tomarmos uma decisão.
O Espírito guiar-nos-á zelosamente****, à medida que nos abrirmos a este desígnio do amor de Deus, no conhecimento da Sabedoria que vem do alto. Quando soubermos apreciar esta presença divina no tempo comum, então daremos também mais valor aos tempos fortes do ano, seremos também capazes de lidar com os momentos altos e momentos de crise da nossa vida, porque estamos conscientemente certos de que Deus Comunhão está!
____________________
* PAPA BENTO XVI, Deus Caritas Est, n. 3.
** Pr 8,31.
*** Jo 16,12.
**** Jo 16,13.