Publicado em Integração Psico-Espiritual

A pessoa não é um problema para resolver…

… mas um mistério a descobrir!

É um desafio este mistério, sobretudo para os educadores, estejam eles em que quadrantes estiverem. Quando a consciência nos começa a ditar o “exame” habitual sobre o que transmitimos ou não transmitimos e sobre a forma como o fizemos, convém não esquecer o seguinte critério de avaliação: de futuro não podemos contestar, na conduta dos educandos, a ausência dos valores que não receberam…

Educar, então, significará “tirar fora” os valores que se encontram dentro do sujeito, liderando um processo desde fora, mas que acontece dentro. Se pensarmos nestes termos, sem anular o efeito dos grupos e das comunidades, sentiremos que é mais importante a pedagogia da indução, ou seja, provocar que o valor se manifeste de dentro para fra do sujeito do que pela dedução que significará ditar os valores e esperar pacientes até que se manifestem.

Educar é ser referência, ou seja, referir valores, incutindo-os mais pela maneira de viver (o famoso exemplo) do que pela menção dos mesmos.

Boa sorte a todos os educadores. No final de contas, também podemos ser referência quando não corre tudo bem e assumimos os nossos erros!

Autor:

Padre da Diocese de Viseu