Advento poderá ser sempre…

… tempo favorável para saborear a nostalgia de Deus no vértice dos nossos empenhos, na dispersão das mil actividades, no caos da cidade, no burburinho dos escritórios, no barulho das estradas e das fábricas.
É tempo no qual, quase, se torna mais fácil “desejar o desejo”, relativizando outra pequena e imediata aspiração do nosso coração que não seja aquela de desejar um único objecto válido do nosso amor, Aquele que a voz suplicante de um dos profetas do Advento nos apresenta: «Céus deixai cair o orvalho, nuvens, chovei o justo; abra-se a terra e brote o Salvador» (Is 45,8).

%d bloggers like this: