Não há melhor forma de ser feliz para o ser humano do que perceber-se possuir uma unidade de vida interior em desenvolvimento, para a consolidação do seu eu como pessoa na relação com os outros.

O problema é querer desenvolver essa unidade de vida só voltado para Deus, sem se estar próximo dos irmãos. Parece-me impossível, não porque Deus não queira, mas porque a forma mais direta de estar com Ele é pelo “interface” mais semelhante a Ele: o ser humano. Neste sentido, não há ritos solitários que possam levar o homem a aceder a Deus com tanta eficiência do que a partir da caridade (que é, por definição, uma virtude solidária).

Jesus quis unir os dois mandamentos maiores ─ escutar/adorar a Deus e amar o próximo ─, diante da confusão de seis centenas de preceitos proibitivos e obrigativos, precisamente porque os mesmos, ainda que muitos, estavam a fragmentar o interior das pessoas que, mais do que as ajudar a ser livres, as manipulavam com o “confundir para reinar”.

Doravante, não há outra forma de retribuir a Deus o seu amor primeiro: só amando os irmãos, proativamente, a começar pelos mais pobres e distantes. Quantas vezes uma religião baseada em obrigações e proibições nos afastou dos irmãos, criando fronteiras de segurança anti-divina? Não há outra ética com que possamos anunciar o Evangelho. Não há escusas nem subterfúgios com que possamos fugir do pobre, com o risco de fugirmos também do verdadeiro Deus!

O tema da Semana dos Seminários que decorre entre este 31 de outubro e o 7 de novembro de 2021 ─ «Para estarem com Ele e para os enviar a proclamar» (Mc 3, 14) parece ter implícita na experiência dos primeiros discípulos o adorar a Deus, no estarem com Ele e escutando-O em Jesus, e o amor ao próximo, acolhendo o envio para a missão de proclamar a boa nova aos pobres e oprimidos. Não se pode, por isso, desligar o primado do amor a Deus do primado da missão no mundo. Seria em vão a nossa fé e seguimento. Só nesta lógica é que poderemos testemunhar a salvação e não numa lógica de autorreferencialidade ou de autosubsistência. Por isso, contribuir para os Seminários ─ com oração e bens materiais ─ é uma possibilidade que decorre da necessidade de as pessoas (dentro e fora das comunidades) terem mediadores mais bem preparados que nos permitam (continuar a) estar com Jesus para podermos aprender a adorar a Deus com todas as faculdades do ser, sem deixar de cuidar dos irmãos mais frágeis. Não se sustenta os seminários pelos seminários como fins em si próprios, mas ao cooperar com estas casas de formação, está a sustentar-se a identidade e missão da Igreja no mundo. Pois, a vocação ao sacerdócio ministerial não é um fim em si próprio, mas instrumento para que pelo Batismo e a vida que decorre deste Sacramento, todos sejam salvos.

%d bloggers like this: